Prof. Antonio Julio


As modernas tecnologias do campo são só capitalistas? ImagemImprimirE-mail
 
Qui, 17 de Abril de 2014

No combate ao agronegócio, os movimentos sociais e sindicais do campo passaram a questionar o uso de agrotóxicos pelo agronegócio e a defender a “agricultura orgânica” ou “agroecológica”, de tal maneira que estas técnicas de agricultura e cultivo têm se tornado, de certo modo, uma das políticas centrais nas lutas de diversos movimentos sociais campesinos.

É inegável que esta questão é fundamental, pois o uso abusivo de agrotóxicos, como no caso do Brasil, acarreta problemas de saúde para os consumidores e para os trabalhadores do campo, principalmente os trabalhadores do agronegócio, que aplicam estes pesticidas. Mas também afeta a toda a população e, por isso, deve-se cobrar uma rigorosa fiscalização dos serviços públicos de saúde, exigindo que as leis que regulam a aplicação dos agrotóxicos sejam cumpridas e tornadas mais severas.

A produção e a aplicação em larga escala, como é feita hoje, além dos malefícios que podem causar a saúde, também servem à concentração e reprodução do capital que investe no ramo dos agrotóxicos, transformando o alimento em mercadoria. Além do abuso do agrotóxico, temos a transgenia, que monopoliza as sementes em grandes grupos multinacionais. Política inaceitável, considerando a importância primeira do alimento na nossa vida.

A crítica à produção de sementes deve ser acoplada à denúncia das verdadeiras “fábricas de aves e suínos” e da fabricação de gado em grandes extensões de terras. Ou seja, o alimento, seja o vegetal ou o animal, está monopolizado e transformado em mercadoria. O agronegócio monopoliza a moderna tecnologia e a usa em seu favor. E este monopólio está relacionado à produção de “dinheiro e mercadoria” pelo agronegócio, mesmo que às custas de desemprego, danos ao meio ambiente e à saúde humana.

Porém, não podemos “fetichizar” a ciência e a tecnologia, colocando-a acima dos embates e das contradições sociais. Lembremos do movimento Ludista, na Inglaterra, no início da Revolução Industrial, em que os trabalhadores quebravam as máquinas considerando-as responsáveis por seus males. Mas depois compreenderam que o verdadeiro problema estava nas relações sociais de produção e reprodução que eram propiciadas pelo capital e começaram a se organizar, não contra as máquinas, mas contra o capitalismo.

A agricultura sempre foi motivo de inovações. A biotecnologia, por exemplo, é uma técnica muito antiga na história humana. Mas foi a modernidade que desenvolveu enormemente a ciência e as técnicas aplicadas ao processo produtivo. Como não poderia deixar de ser, o capitalista se apropriou destas tecnologias e passou a monopolizá-las. E como sabemos, abusou desta apropriação. E muitas vezes utilizando-as apenas na formação do lucro, abusou deste desenvolvimento. Mas este fato não pode afastar os trabalhadores do campo de usufruírem do desenvolvimento da moderna tecnologia, pois estas novas técnicas ajudam o trabalhador a ter um trabalho menos fatigante, além de poderem ser usadas no aumento da produtividade.

A industrialização e a informática têm sido importantes instrumentos para o desenvolvimento da agricultura e do domínio pelo trabalhador de seu processo produtivo. A meu ver, o mundo do trabalho deve disputar o moderno desenvolvimento científico e tecnológico, debatendo e sabendo discernir o que melhora a vida e humaniza o trabalho do uso indiscriminado e abusivo destas técnicas por parte do agronegócio.

A luta por um novo modelo de desenvolvimento e vida está vinculada, prioritariamente, à luta contra o capital, e não contra o desenvolvimento da moderna ciência e tecnologia. O trabalhador deve disputar o controle e a propriedade destas novas tecnologias, e não apenas censurá-las por estarem sendo mal usadas pelo capital.

Quando não se disputa a tecnologia e seu uso em sua totalidade social, corre-se o risco de aceitar o pragmatismo da pequena produção orgânica convivendo com a moderna produção capitalista. Deste modo, pequenas produções alternativas enfrentando a moderna tecnologia dificilmente conseguirão mudar a produção agrícola na sua totalidade. Além do mais, com isso, corre-se o risco de priorizar a produção orgânica e agroecológica em detrimento da luta política mais ampla contra a propriedade privada da terra pelo rentista ou a luta contra o moderno capitalista do campo

Porém, estes dois sistemas podem conviver concomitantemente, a agroecologia, por um lado, e o agronegócio, por outro. Mas esta convivência paralela é muito desigual e, permanecendo assim, ou se prossegue com o êxodo rural que os Censos demonstram, ou a agroecologia encontra um “nicho” no mercado e se satisfaz.

Saliente-se, ainda, que não existe contradição entre a produção orgânica e a reprodução do capital, pois a produção orgânica pode, se for de interesse das grandes empresas, ser adotada por estas.

Portanto, os movimentos sociais do campo não podem aceitar a “divisão social da agricultura” entre a agricultura de exportação e a agricultura orgânica e agroecológica, pois a luta deve ser mais ampla e a moderna tecnologia deve ser disputada socialmente.

Correio da Cidadania: http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=9527:submanchete170414&catid=72:imagens-rolantes



Escrito por Prof. Antonio Julio de Menezes às 13h15
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Sudeste, BELO HORIZONTE, Homem, de 56 a 65 anos
Histórico
Outros sites
  Meu "Somos UFMG"
  Meu currículo LATTES
  Conferência Socialismo Educação 2013
  Meu Facebook
  Palavra Ética
  Meus Vídeos You tube
  Minha página Google
  Fculdade de Educação da UFMG
  Marxismo 21
  Revista Trabalho & Educação NETE/FAE/UFMG
  Revista Germinal - marxismo e educação
  Mouro - Revista marxista -Mulheres
  O Mouro- Revista marxista - brasileira
  Associação dos amigos da ENFF
  ABEM- Associação brasileira de educadores marxistas'
  Luta pela Educação - Diário da Classe
  Universidade Livre Feminista
  Editora Expressão Popular
  Revista Outubro
  ANDES
  Blog da Boitempo
  Passa Palavra
  Caros Amigos
  Carta Maior
  Brasil de Fato
  Correio da Cidadania
  Vermelho - PCdoB
  Centro de Mídia Independente
  Fundação Lauro Campos -PSOL
  Adital
  Marquetalia FARC-EP Colômbia
  Juventude rebelde- jornal de Cuba
  Casa da América Latina
  Chiapas Denúncia pública
  Xojobil Zapatista
  Comunicados do EZLN
  Mídia Independente Chiapas
  Rebelión
  Enlace zapatista
  Tupac Amaru - Perú
  Patria Latina
  Resumen Latinoamericano
  Clacso
  Ocean Sur latinoamericano
  réseau voltaire
  Jornal Granma Cuba
  Terra Livre
  Juntos - Juventude em Luta
  Editora Boitempo
  Via Campesina
  CPT Nacional
  Movimento dos Sem Teto - MTST
  Corrente Comunista Luiz Carlos Prestes
  Jubileu Brasil
  Liga dos Camponeses Pobres
  Inverta
  Jornal A Verdade - PCR
  A Nova Democracia
  Movimento dos Sem Teto
  via Campesina
  Movimento dos Atingidos por Barragens MAB
  MST
  Resistir
  O Militante - fotos de revolucionários
  Arquivo marxista na internet
  Obras de Marx e Engels
  Gramsci e o Brasil
  Instituto Caio Prado Jr.
  Prestes a Ressurgir
  Instituto Luiz Carlos Prestes
  Auditoria Cidadã da Dívida
  Jubileu Brasil
  CEBI- Centro de Estudos Bíblicos
  PSOL
  PSTU
  PCR
  Partido da Causa Operária
  Estudos vermelhos-PCB
  Refundação Comunista
  PCB
  INTERSINDICAL
  CONLUTAS
  CUT
  O Caixote Contos e Poesia